English Club

Aulas de inglês particular em domicílio. Curso de inglês personalizado com foco no resultado. Um aluno por professor.

Home
»Faça contato
» Preços de Aulas de inglês in company
»Inscrição de Aulas de inglês
»clientes de Aulas de Ingles
» Horários de Aulas de inglês em domicílio
»Aulas de inglês on line
» Metodo de aula de inglês
» Editorial sobre aulas de inglês
» Gramática nas aulas inglês
»Faça parceria conosco
»Aulas de inglês com Intercambio
» Curso de inglês
» Professor particular de inglês
»Curso de inglês em grupo
»Aulas de inglês nas ferias
»Aulas de inglês para negocios
»Professor de inglês particular
»Aulas de ingles em horário flexível
»Qualidade em aulas de inglês
»Quem somos


Home
Literatura inglesa

Idade Média
Devido ao facto de a herança galesa e romana ter sido quase totalmente apagada por invasões das populações da baixa Alemanha e Escandinávia, é somente no início da idade média que aparecem as primeiras palavras em inglês, escritas em dialecto Anglo-Saxónico agora conhecido como inglês antigo (Old english; o texto sobrevivente mais antigo é Cædmon's Hymn de Cædmon). A tradição oral era muito forte nos primórdios da cultura inglesa e a maioria dos trabalhos literários foram escritos para serem representados. Os poemas épicos eram assim muito populares e muitos, incluindo Beowolf, sobreviveram até aos dias de hoje entre as obras que constituem a literatura anglo-saxônica.

Existia um idioma que lembrava aproximadamente o norueguês atual ou, melhor ainda, o Islandês, embora muito do verso anglo-saxão nos manuscritos existentes é provavelmente uma "suave" adaptação dos primeiros poemas de guerra Viking e Alemães originados do continente. Quando tais poemas foram trazidos para Inglaterra eles começaram a ser transmitido oralmente de uma geração para outra, e a constante presença de versos aliterativos, ou ritmo constante (atualmente manchetes de jornal e propagandas usa abundantemente esta técnicas tais com Maior é Melhor) ajudava o povo anglo-saxão a lembrá-los melhor. Tal ritmo e uma característica do idioma alemão e é oposto ao idioma românico vocálico e sem ritmo. Mas os primeiros escritos datam dos primeiros monastérios cristãos fundados por Santo Agostinho da Cantuária e seus discípulos e é razoável acreditar que estes foram de alguma forma adaptados de leituras cristãs. Mesmo sem suas linha grosseiras, os poemas de guerra Viking ainda tem cheiro de sangue feudal e suas rimas consonantes soam como encontros de espadas sobre o triste céu do norte: há ainda um senso de perigo iminente em suas narrativas. Em pouco tempo, todas as coisas devem chegar a um fim, como Beowulf evetualmente morre nas mãos de um gigantesco monstro o qual ele passa sua vida combatendo. Os sentimentos de Beowulf que nada continua, a juventude e alegria irão se tornar em morte e dor e penetraram no Cristianismo que irá dominar a futura paisagem da ficção inglesa. O tema dos tempos-dourados (ubi sunt) é, por exemplo, recorrente em Hamlet ("Alas, poor Yorick" traduzindo Ai de min, pobre Yorick), para não mencionar a poesia Jacobeana. Com exceção do relativa levemente amorosa e otimista Restauração e a era Augustiniana, melancolia e a e angustia permaneçam como tema favorito dos escritores de língua inglesa, embora a romance gótico e pré-romantismo marcaram o nascimento da sensibilidade romântica moderna. Quando William o conquistador transformou a Inglaterra em uma parte da Anglo-Normandia no seu reinado em 1066 trouxe o normando, a Velha poesia inglesa continuou a ser lida nesta linguagem largamente falada. Foi somente no inicio do seculo13 quando Albion tornou-se independente e cortou suas relações com a França que a linguagem realmente mudou. Como os Normando foram assimilado pela cultura principal, seu francês penetrou nas classe mais baixa da sociedade mudando a gramática e o léxico do Inglês antigo. Embora ele não tenha se tornado uma língua normanda, o inglês de Chaucer é muito mais próximo ao inglês dos dias atuais do que a linguagem falada no século anterior. O interlocutor de médio do inglês não pode ler Chaucer (inglês médio) sem dificuldade mas pode captar a essência da estória, enquanto ele necessita ler Beowulf no inglês moderno.

Na alta idade média (1200-1500), os ideais de amor cavalheiresco entraram na Inglaterra e os autores começaram a escrever romances, seja em prosa ou verso. Tornaram-se especialmente populares os contos sobre Rei Artur e sua corte. O poema Sir Gawain and the Green Knight (que numa tradução literal seria Sir Gawain e a Rainha Victoria) mostram muitas das feições chaves da literatura deste tempo: como paisagem o legendário reino do Rei Arthur, uma ênfase no comportamento cavalheiresco e nobre, e um colorido religioso.

O drama inglês a este era evidentemente religioso. Peças misteriosas eram encenadas nas cidades e vilarejos para celebrar as principais festas, e menos formais peças mascaradas também conduziam temas Natalinos.

O primeiro autor Inglês, Geoffrey Chaucer (1340 -1400), escreve em inglês médio. Seu mais famoso trabalho é The Canterbury Tales (que em uma tradução livre seria historias da Cantuária), uma coleção de estórias em uma variedade de gêneros, aparentemente contada por um grupo de peregrinos a caminho da Cantuária. Consideravelmente, são de todos os estilos de vida, o que reflete muito da linguagem que eles usavam como conteúdo de suas estórias. Mas, embora Chaucer seja certamente um autor Inglês, ele foi inspirado por desenvolvimentos literários que tiveram lugar em outros pontos da Europa, especialmente na Itália. The Canterbury Tales de Chaucer são bastante influenciado pelo Decamerão de Giovanni Boccaccio. A renascença tinha feito sua aparição na Inglaterra.

Início da idade moderna (Renascença)
Na sequência da introdução das prensas de impressão na Inglaterra por William Caxton em 1476, a literatura inglesa, à semelhança de outras literaturas nacionais, floresceu. Exemplo dessa consciência de uma identidade nacional é a criação do Book of Common Prayer, livro de orações em vernáculo e não em latim, indo ao encontro também das propostas da Reforma.

Literatura elisabetana
A era elisabetana viu um grande florescimento da literatura, especialmente no campo do drama. A Renascença Italiana tinha redescoberto a teatro antigo Grego e Romano, o qual começou a evoluir em separado velho mistério e peças de milagres da idade média. Os italianos foram particularmente inspirados por Sêneca (um a grande autor de tragédias e filosofo, o tutor de Nero) e Plautus (seus clichês cômicos, especialmente daqueles saldados garbosos tiveram uma poderosa influência na Renascença e depois). Contudo, as tragédias Italianas adotaram um principio contrario a ética de Sêneca: mostrando sangue e violência no palco. Nas peças de Sêneca tais cenas eram somente representadas por cartazes. Mas os dramaturgos Inglêses fascinados pelo modelo Italiano: uma representativa comunidade de atores Italianos estava morando Londres e Giovanni Florio tinha trazido muito da cultura e linguagem Italiana para Inglaterra. É também verdade que a Era Elisabetana foi uma época e que a grande incidência de assassinatos políticos na Renascença Italiana (expressos pelas idéias de Nicolau Maquiavel em o O Príncipe). Como um resultado disto, representações que continha este tipo de violência nesta época era provavelmente mais catalítica para o espectador Elisabetano. Acompanhando as primeiras peças Elisabetana tais como Sackville & Norton de Gorboduc e The Spanish Tragedy por Kyd, a qual forneceu muito material para Hamlet de William Shakespeare que surgiu neste período como um poeta e dramaturgo e ainda não foi superado. Shakespeare não era um homem de letras por profissão, e provavelmente só tinha somente alguma educação gramatical escolar. Ele não era nem um advogado, nem um aristocrata com o “talento universal” que estava monopolizado o palco Inglês quando ele começou a escrever. Mas era muito talentoso e incrivelmente versátil, e ultrapassou os "profissionais" como Greene que ridicularizava este "shake-scene" de origens humildes. Embora a maioria dos dramas fossem recebidos com grande sucesso, em seus últimos anos (marcados pelo inicio do reinado de James I) que ele escreveu aquelas que viriam a ser considerados suas grandes peças: Hamlet, King Lear, Macbeth, All's Well That Ends Well, Anthony and Cleopatra. Para listar os trabalhos que pertencem ao período tardio, nos devemos adicionar The Tempest, uma tragicomédia que inscreve em dentro do drama principal uma brilhante demonstração para um novo reino. Esta 'peça em dentro de uma peça' e retida de um masque, um interlúdio com musica e dança colorido por efeitos especiais em novos teatros internos. Críticos mostraram que na peça principal, a qual pode ser considerada um trabalho dramático por si só, foi escrita para a corte de James, se não foi para o próprio monarca. A arte mágica de Prospero, na qual depende o resultado do enredo, informa de fino relacionamento entre a arte e a natureza na poesia. De forma significativa por estes tempos (a chegada dos primeiros colonos na America), The Tempest é (embora não aparentemente) ambientada nas Ilhas Bermudas, como as pesquisas em ‘‘Bemuda Pamphlets’’ (1609) têm mostrado, ligando Shakespeare à Virginia Company itself.

Os sonetos foram introduzidos na Inglaterra por Thomas Wyatt no inicio do século 16. Os poemas pretendiam ser transformados em músicas, tais como os de Thomas Campion, que se tornaram populares quando a literatura impressa foi dissminada mais abertamente nas casas. Veja English Madrigal School. Outras figuras importantes no teatro Elisabetano incluem Christopher Marlowe, Thomas Dekker, John Fletcher e Francis Beaumont. Marlowe (1564-1593) não tinha sido esfaqueado numa ao vinte e nove anos numa taverna, diz Anthony Burgess, ele pode ter rivalizado, se não igualado o próprio Shakespeare em seus dons poéticos. Notavelmente, ele nasceu apenas algumas semanas antes dele e deve tê-lo conhecido bem. O assunto principal de Marlowe, contudo era diferente: focava-se mais no homem da renascença do que em qualquer outra coisa. Marlowe era fascinado e estarrecido pelas fronteiras da nova e moderna ciência. Drawing on German lore, ele apresentou Dr. Fausto a Inglaterra, um cientista e mago que é obcecado pela sede de conhecimento e pelo desejo de empurrar o poder tecnológico humano aos seus limites. Ele adquire poderes sobrenaturais que o permitem até voltar no tempo e casar-se com Helena de Tróia, mas ao fim do seu pacto de 24 anos com o diabo é obrigado a render sua alma a ele. Seus heróis sombrios devem ter um pouco do próprio Marlowe, cuja data de morte ainda é um mistério. Ele era conhecido por ser ateu, levar uma vida desregrada, ter várias mulheres, consorting with ruffians: viver a "alta sociedade" do submundo de londres. Mas muitos suspeitam que isso pode ter sido um disfarce para suas atividade como agente secreto para a rainha Elizabeth I, sugerindo que o "esfaqueamento acidental" pode ter sido um assassinato premeditado a mando dos inimigos da Coroa. Beaumont e Fletcher são menos conhecidos, mas é quase certo certo que eles ajudaram Shakespeare a escrever seus melhores dramas e também eram bastante famosos na época. É também nessa época que o gênero decomédia urbana se desenvolve. No fim do século 16, a poesia Inglesa era caracterizada pela elaboração da linguagem e extensiva alusão a mitos clássicos. Os mais importantes poetas dessa época incluem Edmund Spenser e Sir Philip Sidney.

Literatura Jacobina
Depois da morte de Shakespeare, o poeta e dramaturgo Ben Jonson foi a figura condutora da literatura na era Jacobina. Contudo, a estética de Jonson ecoa de volta a idade média mais do que a Era de Tudor: suas características incorporam a teoria dos humores. De acordo com esta, o universo é feito de quatro elementos: terra, água, ar e fogo e comportamentos diferentes resulta da prevalência de um elemento sobre os outros três (este era o principio guia pra os médicos também). Isto levou Jonson a exemplificar tais diferenças do ponto de vista de criação de tipos, ou clichês, enquanto Shakespeare já tinha abandonado tal teoria em favor de uma psicologia moderna. Mas Jonson é um mestre deste estilo, e um brilhante sátiro.

Outros que seguiram o estilo de Jonson incluem Beaumont e Fletcher, que, embora não tão talentosos como Shakespeare, escreveram comedias quase tão brilhantes, The Knight of the Burning Pestle, uma zombaria com a classe media ascendente e especialmente para aqueles novos ricos que fingiam declamar uma literatura de bom gosto sem conhecer muito a respeito de literatura como um todo. Na estória, um casal de donos de mercearia discutem em voz alta com atores peças encenadas no desenrolar do drama. Ele se veste de cavaleiro errante, mais apropriadamente, uma queimadura de pilão em seu escudo. Buscando ganhar o coração de uma princesa, o jovem homem é ridicularizado tanto quanto Don Quixote será ridicularizado em um futuro romance. Um dos méritos principais de Beaumont e Fletcher era o narrar com realismo como o feudalismo e os cavaleiros terem se transformado em vaidade e fingimento e que esta nova classe social estava em risco.

Outro estilo popular durante era Jacobeana era peça de vingança, popularizada por John Webster e Thomas Kyd. George Chapman escreveu um par de sutis tragédias de vingança, mas devem ser lembrados principalmente em consideração de sua famosa tradução de Homer, a qual teria uma profunda influência em toda futura literatura Inglesa, inspirando até John Keats a escrever algumas de suas grandes poesias.

A Biblia do rei James, um dos projetos mais massivos de tradução da Inglaterra até este tempo, foi iniciado em 1604 e completado em 1611. Ela representa o ponto culminante da tradição de tradução Bíblica na Inglaterra que começou com o trabalho de William Tyndale. Ela se tornou a Bíblia padrão da Igreja da Inglaterra, e um dos grandes trabalhos literários de todos os tempos. Este projeto foi encabeçado por James I em pessoa, que supervisionou o trabalho de quarenta e seis sábios. Embora uma tradução mais fiel tenha sido feita em 1970, e muitas depois desta, nenhuma tem a mesma qualidade poética da Bíblia do Rei James, na qual a métrica é conduzida pra imitar a dos versos Hebreu originais.

Ao lado de Shakespeare, o qual aparece no inicio de 1600, o maior poeta do inicio do século 17 incluem John Donne e outros poetas Metafísicos. Influenciados pelo Barroco continental, e retirando sus conteúdo subjetivo do misticismo Cristão e erotismo, a poesia metafísica utilizou figuras pouco convencionais ou anti-poéticas, tais como um compasso ou um mosquito, para obter o efeito supressa. Por exemplo, em Songs and Sonnets de Donne, pontas de um compasso representam dois amantes, a mulher que é a caseira, esperando, começando no centro, o ponto mais distante inicia sua viagem de amor partindo dela. Ma a maior distancia, alem do que o compasso aberto pode alcançar: separação faz o amor crescer em adoração. O paradoxo ou a contradição é uma constante nesta poesia onde os medos e as ansiedades também falam de um mundo de certezas espirituais balançado pelas modernas descobertas da geografia e ciência, no qual não se é mais o centro do universo. Mas a poesia aponta no caminho da era do misticismo a qual pode ser o fechamento dos teatros e do puritanismo que se segui.

Literatura Carolina e Cromwelliana
Os anos turbulentos do meio do Século 17, durante o reinado do Charles I e o subseqüente de Commonwealth e Protetorado, assistiu o florescimento da literatura política na Inglaterra. Pamphlets escreveu para simpatizantes de cada facção na Guerra civil Inglesa fugindo de viciosos ataques pessoais e polêmicas, embora muitas formas de propaganda, suas esquemas mentais muito elaborados ajudou a reformar a nação. Uma destas cartas chamadas de Leviathan por Thomas Hobbes provou se tornar o mais importante trabalho político da filosofia política da Grã -Bretanha. Os escritos de Hobbes são alguns dos únicos trabalhos políticos desta era os quais ainda são regularmente publicados por John Bramhall, que era critico chefe de Hobbes, sendo muito freqüentemente esquecidos. O período também viu o florescimento de novos livros, os precursores dos Jornais Britânicos, jornalistas tais como Henry Muddiman, Marchamont Needham, John Birkenhead representam a visão e atividades das partes envolvidas. As freqüentes prisões de autores e a opressão de seus trabalhos, tendo como conseqüências a impressão secreta ou feita no estrangeiro, levando que a idéia dos direitos de propriedades fossem inicialmente proposto. A Areopagitica, uma política panfletada por John Milton, foi escrita em oposição ao licenciamento e é considera como uma das mais eloqüentes defesas da impressa livre que já foi escrita.

Outras formas de literatura escritas durante este período são usualmente relacionadas textos políticos ou seus autores estão agrupados ao longo de tendências políticas. A poesia de cavalaria, atividade principal antes da Guerra civil, relacionou-se muito como a nova escola dos poetas metafísicos. O afastamento forçado de oficiais reais após a execução de Charles I foi uma boa coisa no caso de Izaak Walton, pois isto deu a ele tempo para trabalhar em seu livro The Compleat Angler. Publicado em 1653 o livro, aparentemente é um guia para pesca, porem é muito mais; convertendo se uma reflexão sobre a vida, o prazer e contentamento. Os dois poetas mais importantes da Inglaterra de Oliver Cromwell são Andrew Marvell and John Milton com suas produções direcionadas para glorificar o nov governo; tal como Marvell em An Horatian Ode upon Cromwell's Return from Ireland. A despeito de suas crenças republicanas eles escaparam de punições no momento da Restauração de Charles II depois da qual Milton escreveu alguns de suas maiores poesias com algumas mensagens políticas escondido na roupagem de a alegorias. Thomas Browne foi outro escritor do período; um homem estudado com uma extensa biblioteca, ele escreveu proliferamente nos ramos da ciência, religião, medicina e esoterismo.

www.englishclub.com.br aulas de inglês (11)5894-5170


Literatura inglesa e aulas de inglês
Patrocinadores : Estacas Raiz | Plano de saúde empresarial | Criação de logotipo | Temporada SP | Professores de inglês| Antenas Omni direcional|